Como estruturar um cronograma de formação para a paróquia

Como estruturar um cronograma de formação para a paróquia

Ter na paróquia um bom cronograma de formação espiritual, doutrinal e teológica traz muitos benefícios para a comunidade como um todo. Afinal, assim como os seminaristas recebem uma boa formação para se tornarem padres, os agentes de pastorais e movimentos também precisam ser bem formados. Só assim conseguem cumprir bem seu papel na paróquia.

Além disso, uma paróquia que ajuda seus fiéis a desenvolverem seu conhecimento e espiritualidade está fazendo um bem inestimável a eles.

Contudo, há quem acredite que a evangelização que se dá por meio das homilias já é suficiente. Mas a verdade é que os fiéis precisam – e merecem – ter a oportunidade de aprofundar seu conhecimento da Palavra de Deus e acerca da doutrina da Igreja. 

Ao oferecer uma boa formação aos agentes de pastorais e movimentos, a paróquia experimenta também o fortalecimento da sua vivência evangelizadora. Além disso, prepara fiéis cada vez mais engajados e mais apaixonados pela evangelização.

Sabendo disso, são muitas as paróquias que procuram organizar um cronograma de formação e já percebem resultados positivos. No entanto, há outras em que o projeto acabou não acontecendo por conta das inúmeras dúvidas que surgem no momento de passar as ideias para o papel.

Se você também vive uma situação assim, ou precisa de algumas dicas para talvez incrementar seu cronograma de formação, então este conteúdo é para você!

Aqui você vai encontrar dicas essenciais para estruturar um cronograma de formação para a sua paróquia. Acompanhe!

 

Como começar um cronograma de formação para a paróquia?

 

Primeiramente, o detalhe mais importante antes de abrir uma planilha no computador para organizar um cronograma de formação para a paróquia é conhecer as necessidades dos agentes pastorais. 

Por isso, reúna-se com as lideranças, coordenadores de movimentos e pastorais para identificar as suas necessidades quanto ao processo formativo. Portanto, procure extrair deles o máximo de informações sobre o que buscam, que temas desejam aprofundar, suas curiosidades, enfim, suas dúvidas.

Feito isso, alguns passos são importantes para começar o projeto de formação. Veja quais são!

Veja também: Como organizar uma palestra na formação pastoral 

 

Monte uma equipe  

Reúna algumas pessoas que, junto com o pároco, serão responsáveis por organizar o cronograma de formação para a paróquia e os encontros formativos. Portanto, uma equipe ideal é composta por um coordenador, um secretário, uma pessoa responsável pela acolhida, outra pela a comunicação, e demais necessidades que surjam. 

 

Defina o tipo de encontro e a periodicidade

O tipo de encontro e a periodicidade também são detalhes muito importantes a serem definidos. A paróquia pode oferecer:

  • Palestra (encontros mensais; por exemplo, todo último sábado do mês)
  • Semana de formação (de segunda a sexta-feira, à noite; a cada trimestre, por exemplo)
  • Congresso (geralmente tem duração de 3 dias; você pode realizar 3 por ano, por exemplo)

Os encontros formativos podem acontecer de maneira presencial ou online. Contudo, nada impede de mesclar estes dois formatos. 

Sendo assim, quando optar por encontros virtuais, as reuniões podem acontecer ao vivo. Desse modo, as pessoas podem interagir; ou ainda você pode gravar as aulas, que ficarão disponíveis no site paroquial. Além disso, para os encontros presenciais, é preciso ter um espaço adequado e organizado para comportar todas as pessoas de maneira confortável.

Depois que você já identificou as necessidades dos leigos e sabendo quantos encontros acontecerão no ano, é chegado o momento de montar o cronograma de formação para a paróquia.

 

Mãos à obra: montando um cronograma de formação para a paróquia 

 

Aqui é o momento em que você vai pegar todas as informações que conseguiu junto das lideranças e dos coordenadores de pastorais e movimentos sobre as necessidades de formação.  

Além dos temas solicitados por eles, a equipe responsável também pode sugerir e determinar temas. Contudo, é importante abordar assuntos referentes à doutrina cristã, Mariologia, liturgia, espiritualidade etc, enfim, temas importantes de serem trabalhados na sua realidade paroquial.

Pense em um tema para cada encontro, sendo que, quando necessário, um tema pode utilizar dois encontros. Faça uma lista com os temas de acordo com as datas disponíveis e ao lado o nome de um possível palestrante.

Além do pároco, você pode convidar outras pessoas para dar formação aos leigos. Quer uma dica?

  • Religiosos
  • Professor de teologia
  • Padre de outra paróquia
  • Diáconos, etc
  • Profissionais que trabalhem na formação de lideranças cristãs

 

O ideal é que utilizar na formação não apenas a bíblia, mas também o Catecismo e documentos papais. Afinal, isso é importante para também despertar nos leigos o interesse pela leitura desses documentos tão importantes da Igreja.

É importante também incentivar nas lideranças e nos agentes de pastorais e movimentos o hábito de estudar em casa, fazendo a leitura de textos que você pode indicar a eles. Eles precisam ter em mente que não basta apenas participar dos encontros. Faço-os compreender que quanto mais estudam, mais conhecem e amam as coisas de Deus. 

 

Gisa Prado

Jornalista de formação, com longa experiência na produção de conteúdos para meios de comunicação católico.
Atualmente compõem a equipe de Redação na Dominus Evangelização e Marketing.  Seu coração está na evangelização!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *