Reuniões: conheça alguns tipos que irão mudar a sua rotina pastoral - Dominus Comunicação

Reuniões: conheça alguns tipos que irão mudar a sua rotina pastoral

Sabemos que a rotina de reuniões nas nossas comunidades por vezes é exaustiva e comprometedora. Sim comprometedora, porque compromete nosso tempo, nosso cronograma na comunidade e por vezes compromete a nossa saúde mensal. Tudo isso devido à quantidade em que elas acontecem. 

 

As reuniões desempenham um papel crucial na vida de uma comunidade. Seja ela uma paróquia, diocese ou congregação. Elas são fundamentais para o andamento das atividades evangelizadoras. 

Nelas os líderes e membros da comunidade se reúnem para discutir assuntos importantes, fortalecer laços e traçar diretrizes para o crescimento espiritual e social. Pelo menos esses deveriam ser os principais objetivos da existências das reuniões em uma comunidade da Igreja.  

No entanto, muitas vezes, essas reuniões podem se tornar monótonas ou ineficazes, deixando os participantes desanimados e desengajados. É por isso que explorar diferentes metodologias pode ser uma maneira eficaz de revigorar esses encontros e torná-los mais produtivos e significativos para todos os envolvidos.

Eu costumo dizer nas formações que realizo que, quando Jesus voltar, ele provavelmente irá nos encontrar em reunião, unidos não sei se estaremos, mas reunidos sim! Separei três tipos de reuniões simples que você pode adotar na sua comunidade.

 

Reuniões 1:1 (one-one): Conexões pessoais que transformam

As reuniões individuais, ou 1:1, são uma poderosa ferramenta para construir conexões pessoais mais profundas dentro da comunidade. Em vez de se concentrar apenas em questões gerais, as reuniões 1:1 permitem que líderes pastorais dediquem tempo exclusivo a cada membro, ouvindo suas preocupações, compartilhando conselhos personalizados e fortalecendo os laços de confiança.

Como implementar reuniões 1:1:

  • Agendamento Regular: reserve um tempo regularmente para se reunir individualmente com os membros da comunidade. Isso pode ser mensal, trimestral ou conforme necessário, dependendo das necessidades e do tamanho da comunidade.
  • Foco na pessoa: durante essas reuniões, concentre-se nas necessidades específicas de cada pessoa. Ouça atentamente suas preocupações, ofereça apoio emocional e espiritual e forneça orientação personalizada de acordo com sua situação. 
  • Confidencialidade: é fundamental garantir que tudo discutido nessas reuniões permaneça confidencial. Isso ajudará os membros a se sentirem à vontade para compartilhar questões pessoais e sensíveis.
  • Acompanhamento: após as reuniões, faça um acompanhamento com os membros para garantir que estejam progredindo na vida de santidade, nos projetos pessoais e na vivência missionária/apostólica. Isso representa um verdadeiro pastoreio 360º. 

 

Feedback: uma ferramenta para crescimento

 

O feedback é uma ferramenta valiosa para o crescimento pessoal e coletivo dentro da comunidade. Ao receber e fornecer feedback construtivo, os líderes e membros podem identificar áreas de melhoria, celebrar conquistas e fortalecer os laços de comunidade.

Como Implementar Feedback Efetivo:

  • Crie uma cultura de feedback: estabeleça uma cultura onde o feedback seja valorizado e encorajado. Incentive os membros a compartilhar suas opiniões de maneira construtiva e respeitosa.
  • Feedback 360º: além do feedback dos líderes para os membros, promova a troca de feedback entre os próprios membros da comunidade. Isso cria um ambiente de colaboração e aprendizado mútuo. Momentos comunitários de partilha são uma ótima estratégia. 
  • Há alguns anos, implantei em uma paróquia um projeto chamado: Tarde da Partilha, era um evento previamente agendado que tinha como objetivo fortalecer os laços comunitários e a troca de experiências. Tudo direcionado por um questionário previamente elaborado. Dividimos todos os agentes pastorais participantes em grupos com no máximo 10 pessoas, vale destacar que os grupos tinham pessoas de várias pastorais, evitando que todos fossem da mesma.  Os benefícios desta ação foram sentidos já no primeiro encontro realizado. 
  • Estrutura oportuna: forneça feedback de forma oportuna e específica. Não espere até que problemas se acumulem, aborde questões assim que surgirem e ofereça sugestões claras para melhoria.
  • Agradeça e Reconheça: reconheça publicamente as contribuições positivas dos membros e agradeça pelo feedback construtivo. Isso incentiva a participação ativa e fortalece o senso de pertencimento.

 

 

Brainstorming: gerando ideias criativas e inovadoras

 

As sessões de brainstorming são excelentes para gerar ideias criativas e inovadoras para desafios específicos ou oportunidades de crescimento dentro da comunidade. 

Nossas comunidades precisam promover uma cultura de criatividade evangelizadora. Há muita dificuldade dos agentes pastorais em oferecer novas idades para resolver problemas antigos. 

Costumo dizer nas formações que oferece que uma das principais inimigas do crescimento evangelizar é a “crise da Gabriela”: 

“Eu nasci assim, eu cresci assim /E sou mesmo assim, vou ser sempre assim / Gabriela, sempre Gabriela!”

As reuniões de brainstorming, todos os participantes são incentivados a contribuir com suas ideias, independentemente de quão fora do comum possam parecer.

 

Como implementar sessões de brainstorming:

 

  • Defina um objetivo claro: antes da reunião, estabeleça o objetivo específico do brainstorming. Pode ser, por exemplo, encontrar maneiras de aumentar o envolvimento dos jovens na comunidade, desenvolver novas ações para atrair novas pessoas para a comunidade ou para a vocação. 
  • Crie um ambiente inclusivo: garanta que todos os participantes se sintam confortáveis para compartilhar suas ideias, sem medo de críticas ou julgamentos. Todos os insights (ideias) são valiosos durante uma sessão de brainstorming. Vale sempre lembrar a frase do Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude de 2023 que a Igreja é para todos!
  • Estimule a diversidade de ideias: encoraje a livre associação e pense “fora da caixa”. Incentive os participantes a construir as ideias uns dos outros e a explorar todas as possibilidades, mesmo as mais improváveis.
  • Registre as ideias: utilize ferramentas visuais, como quadros brancos ou flipcharts, para registrar as ideias conforme forem surgindo. Isso ajuda a manter o foco e permite que os participantes visualizem o progresso do brainstorming.

 

Desenvolvimento de novos projetos: transformando ideias em ação

 

Após a geração de ideias por meio do brainstorming, as reuniões de desenvolvimento de novos projetos são o próximo passo para transformar essas ideias em ações tangíveis e alcançáveis. Essas reuniões envolvem a elaboração de planos detalhados, atribuição de responsabilidades e definição de prazos para garantir o sucesso do projeto.

 

Como implementar reuniões de desenvolvimento de novos projetos:

 

  • Seleção de Ideias Prioritárias: analise as ideias geradas durante o brainstorming e selecione aquelas que têm maior potencial de impacto e viabilidade. Concentre-se nessas ideias durante a reunião de desenvolvimento do projeto.
  • Estabeleça metas claras: defina metas claras e mensuráveis para o projeto, incluindo objetivos de curto e longo prazo. Isso ajudará a manter o foco e monitorar o progresso ao longo do tempo.
  • Divida em tarefas: atribua responsabilidades específicas a cada membro da equipe, com base em suas habilidades e experiências. Certifique-se de que todos entendam suas funções e estejam comprometidos com o sucesso do projeto.
  • Estabeleça um Cronograma: Defina prazos reais. 

 

Espero ter contribuído! Até o próximo conteúdo!

Jean Ricardo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *