Evangelização Jovem: onde você pode está errando?

Evangelização Jovem: onde você pode está errando?

Evangelização Jovem: onde você está errando?

O jovem está sempre em busca do seu lugar na sociedade e, na Igreja não é diferente. Mesmo que, pelo batismo, seja parte do Corpo Místico de Cristo (cf. Rm 12,4-5), nem sempre consegue ter a percepção de pertencer ao povo de Deus. Muitas vezes se sente excluído ou pouco acolhido. Por isso, é preciso repensar as ações de evangelização jovem, a fim de acolhê-lo melhor e inseri-lo na vida da comunidade. Veja alguns erros que são cometidos com frequência, e busque novas estratégias para evangelizar esse público.

1. Utilizar métodos antigos de evangelização

Todo ser humano anseia por Deus, ainda que não compreenda. Com os jovens não é diferente. No entanto, quando o rapaz e a moça não encontram aquilo que procuram dentro da Igreja, facilmente vão buscar preencher seu vazio em outras fontes. Por isso, quando falamos em evangelização jovem vale investir em inovação.

Utilizar cartazes, à moda antiga, não é, definitivamente, um instrumento que atraia a atenção dos jovens. É preciso buscar outros meios, ou melhor, é necessário que a Igreja esteja inserida nos meios onde o jovem está: redes sociais, blogs, sites. Fazer uso da arte na evangelização – apresentação de danças, teatro e musicais – também funciona como um atrativo para o jovem, além de ser uma maneira de inseri-lo no contexto da comunidade. No entanto, essas atividades precisam estar carregadas de sentido, tanto moral quanto espiritual.

2. Falta de marketing digital direcionado

Não basta estar onde ele está, para que a evangelização seja eficiente precisamos conhecer melhor o jovem. É necessário pensar uma comunicação voltada exclusivamente para eles e levar em conta que o jovem procura sempre por novas experiências. Promover eventos direcionados exclusivamente a esse público também é uma boa alternativa para o bom êxito da evangelização jovem. Tarde de evangelização jovem – com gincanas, Noite Jovem – no formato balada cristã, são exemplos de comunicação e marketing pensados diretamente para esse público e que têm alcanço sucesso em muitas paróquias.

A elaboração das peças gráficas dos eventos paroquiais, slogans e temáticas que abracem os anseios da juventude podem ser estratégias interessantes para atrair esse público.

3. Falta de desafios e aventuras na programação do Grupo Jovem

Ouvir palestras no grupo de jovens é sim uma forma de evangelizar, contudo há outras maneiras de atrair sua atenção e despertar nele o desejo de ser parte da Igreja. Jovem gosta de aventuras e desafios. Então, por que não promover um encontro diferente? Leve os jovens para fazer uma trilha, por exemplo, e ao final dela façam um piquenique. Durante a subida à montanha, rezem o terço e ao chegar ao topo partilhe com eles um texto bíblico e façam uma reflexão sobre os desafios da vida. Sem contar que todo o trajeto até chegar a montanha e o seu retorno podem ser também aproveitados como um ensinamento sobre a fraternidade, pois um precisa do outro para passar por um obstáculo, sem contar a partilha da água e do alimento com o colega.

4. Pouca interação com ações de evangelização e de cunho social

Infelizmente, é crescente o número de jovens que se afastam da igreja, apesar de crerem em Jesus. Isso acontece por muitos motivos, entre eles, por não conseguirem perceber o Evangelho sendo colocado em prática na sua comunidade. Por isso, procure envolver o grupo de jovens em projetos sociais desenvolvidos pelas demais pastorais de sua paróquia. Ações como levar alimentos à famílias carentes, arrecadar brinquedos para crianças no Natal ou no dia das crianças, visitar os doentes, podem reforçar no jovem o sentimento de pertença à sua comunidade e da vivência do Evangelho.

5. Não tem apresentado a radicalidade do Evangelho

O sacramento do Batismo insere o leigo na radicalidade do Evangelho, mas é preciso que a Igreja o incentive a ser um autentico cristão que busca aprofundar-se nos mistérios de Deus e que dá testemunho do Seu amor misericordioso. Numa de suas cartas apostólicas, São João Paulo II, referindo-se aos jovens, disse: “Vibrando com o seu entusiasmo, não hesitei em pedir-lhes uma opção radical de fé e de vida” (Novo Millennio Ineunte, n, 09). O jovem precisa ser despertado para a radicalidade que o Evangelho nos apresenta: amar os inimigos (Lc 6,35), oferecer a outra face para aquele que te golpeia (Mt 5,39), sentir mais alegria em dar do quem em receber (At 20,35). O jovem precisa ser despertado para a radicalidade do amor. Durante sua homilia na JMJ Panamá, o Papa Francisco apontou algo interessante que pode ser observado e posto em prática quando pensamos em evangelização jovem. O Sumo Pontífice citou que os jovens costumam ser identificados como “o futuro”, mas que, na verdade, eles são “o presente”. “Vocês, jovens, são o agora de Deus”, ressaltou. Na mesma ocasião, o Papa destacou algo que devemos ter em consideração e que precisamos incutir no coração desses filhos da Igreja: “Jesus não é um «entretanto» na vida, nem uma moda passageira: é amor de doação que convida a doar-se”.

Gisa Prado

Jornalista de formação, com longa experiência na produção de conteúdos para meios de comunicação católico. Atualmente compõem a equipe de Redação na Dominus Evangelização e Marketing. Seu coração está na evangelização!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *