Evangelização católica: 5 características que você precisa conhecer

Evangelização católica: 5 características que você precisa conhecer

Vivemos numa sociedade que está em constante evolução e transformação, algo que atinge não apenas o modo de viver das pessoas, mas também o seu interior. O individualismo é uma das características do mundo pós-moderno e globalizado, que propõe um estilo de vida no qual a pessoa vive centrada em si mesma, fazendo-a viver como se Deus não existisse, ou não fizesse parte de sua vida. É urgente, portanto, uma evangelização católica capaz de “estourar essa bolha” na qual muitos parecem viver.

Mas, afinal, como podemos evangelizar nos dias de hoje? Como conseguir uma evangelização católica eficaz? Para responder a essas perguntas, buscamos as diretrizes do Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelli Gaudium. A partir das suas orientações, enumeramos 5 características sobre a evangelização católica que podem nortear a sua missão evangelizadora.

1. O anúncio é para todos

A Redenção é uma obra da misericórdia de Deus para toda a humanidade, por isso o anúncio do Evangelho é para todos. Jesus não quis que os Apóstolos formassem um grupo restrito de cristãos cuja salvação estivesse garantida. Pelo contrário, Ele ordenou: “Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos” (Mt 28,19).  

O Papa Francisco nos recorda que ser Igreja é ser o fermento de Deus no meio da humanidade, levando a salvação àqueles que se sentem perdidos e sem esperança, e que procuram por respostas e encorajamento. “A Igreja deve ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos possam sentir-se acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho” (Evangelli Gaudium,114).

Como colaboradora da graça Divina, a Igreja precisa ser o reflexo da ação de Deus em favor do Seu povo. Qualquer ação de evangelização católica – que não tenha como primazia o anúncio de Jesus Cristo como nosso Salvador – será falha. Segundo o Papa Francisco, “a Igreja é enviada por Jesus Cristo como sacramento da salvação oferecida por Deus” (Evangelli Gaudium, 112). 

2. A evangelização católica é baseada na missão e no discipulado

Todo batizado é naturalmente impelido pelo Espírito Santo de Deus a ser um evangelizador. Todo aquele que experimentou o amor de Deus torna-se um propagador da boa-nova de Cristo. Como exemplo, temos a mulher samaritana que, após seu diálogo com Jesus, imediatamente tornou-se uma evangelizadora. Muitos samaritanos passaram a acreditar em Jesus devido às palavras daquela mulher (cf. Jo 4,39).

Por isso, uma nova evangelização, segundo o Papa Francisco, deve “implicar um novo protagonismo de cada um dos batizados”, (Evangelli Gaudium, 120). Nesse sentido, além de estreitar seus laços com Cristo e de buscar ser um testemunho real do Evangelho, é necessário que o cristão tenha a oportunidade de aprofundar sua fé, afinal “todos somos chamados a crescer como evangelizadores”, (EG, 121).  Além disso, a própria missão de evangelização deve servir como um “estímulo constante para não nos acomodarmos na mediocridade, mas continuarmos a crescer”, (EG, 121).

3. O papel da piedade popular na evangelização católica

Cada nação, cada região do país, possui sua própria cultura e é a partir dela, respeitando suas particularidades, que o Evangelho deve ser transmitido. Os mais diversos povos, nos quais o Evangelho foi inculturado, são também agentes da evangelização. A piedade popular demonstra, segundo o Papa Francisco, que “a modalidade em que a fé recebida se encarnou numa cultura e continua a transmitir-se”.

O Papa Paulo VI, em 1976, ressaltou que a piedade popular “traduz em si uma certa sede de Deus, que somente os pobres e os simples podem experimentar”, além de estimular as pessoas a “terem rasgos de generosidade e predispõe-nas para o sacrifício até ao heroísmo, quando se trata de manifestar a fé”, (Evangelli Nuntiandi, 48).

Mais recentemente, o Documento de Aparecida (2007) reconhece a piedade popular como “uma maneira legítima de viver a fé, um modo de se sentir parte da Igreja e uma forma de ser missionários” (n. 264). Por isso, ressalta o Papa Francisco, é necessário que a evangelização católica respeite e olhe para a piedade popular com os olhos do Bom Pastor que não julga, mas ama. “Só a partir da conaturalidade afetiva que dá o amor é que podemos apreciar a vida teologal presente na piedade dos povos cristãos, especialmente nos pobres” (EG, 125).

Na sua exortação apostólica, o Papa Francisco ainda ressalta que as expressões da piedade popular “são um lugar teológico a que devemos prestar atenção particularmente na hora de pensar a nova evangelização” (EG, 126).

4. Um anúncio pessoal

O Papa Francisco nos convida há uma nova evangelização católica, que compete a todo batizado. Trata-se de “cada um levar o Evangelho às pessoas com quem se encontra, tanto aos mais íntimos como aos desconhecidos” (EG, 127). Um anúncio pessoal que se dá por meio de um conversa despretensiosa, no trabalho, em casa, na rua, em qualquer tempo e lugar, pois um discípulo missionário deve estar sempre disposto a levar aos outros o amor de Jesus.

Esse anúncio, num primeiro momento, se dá por meio de um diálogo sobre suas esperanças, preocupações, alegrias e outros assuntos que fazem bem ao outro. Apenas depois dessa conversa é que se pode apresentar ao outro a Palavra de Deus, “sempre recordando o anúncio fundamental: o amor pessoal de Deus que Se fez homem, entregou-Se a Si mesmo por nós e, vivo, oferece a sua salvação e a sua amizade” (EG, 128).  

A condição para esse anúncio é uma “partilha com uma atitude humilde e testemunhal de quem sempre sabe aprender, com a consciência de que esta mensagem é tão rica e profunda que sempre nos ultrapassa” (EG, 128).    

5. Evangelizamos com Maria

Por fim, não é possível pensar numa nova maneira de evangelização católica sem contar com a intercessão e participação daquela que é Mãe do Evangelho vivente – Maria. Assim como o Espírito Santo está sempre no meio do povo de Deus, lá também está Maria, pois Jesus deu-nos ela como Mãe quando na cruz expressou ao seu apóstolo amado: “Eis a tua mãe!” (Jo 19,27).

Cristo nos conduz à Maria, “porque não quer que caminhemos sem uma mãe” (Evangelli Gaudium, 284).  “Ela, que O gerou com tanta fé, também acompanha ‘o resto da sua descendência, isto é, os que observam os mandamentos de Deus e guardam o testemunho de Jesus’ (Ap 12,17)” (EG, 285).   

Como Mãe de todos nós, Maria  “é sinal de esperança para os povos que sofrem as dores do parto até que germine a justiça” (EG, 286). O Papa Francisco ainda ressalta que Maria “através dos diferentes títulos marianos, geralmente ligados aos santuários, compartilha as vicissitudes de cada povo que recebeu o Evangelho e entra a formar parte da sua identidade histórica” (EG, 286).

Maria é exemplo de prontidão, justiça, ternura e contemplação, o que a torna  um modelo eclesial para a evangelização católica. Assim como Maria é Mãe de todos, a Igreja é a casa de todos.

Gisa Prado

Jornalista de formação, com longa experiência na produção de conteúdos para meios de comunicação católico. Atualmente compõem a equipe de Redação na Dominus Evangelização e Marketing. Seu coração está na evangelização!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *