Acompanhamento pessoal: Um caminho formativo personalizado - Dominus Comunicação

Acompanhamento pessoal: Um caminho formativo personalizado

Durante a caminhada cristã, contar com um caminho formativo personalizado que trabalhe a maturidade humana e espiritual é de extrema importância. Para isso, os agentes de pastoral podem contar com um acompanhamento pessoal mensal.

O acompanhamento pessoal irá auxiliar não apenas na formação do agente pastoral, como também será um importante recurso para o caminho de santidade individual, à qual todos somos chamados.

Se a sua comunidade ainda não conta com este caminho de formação, acompanhe este conteúdo e conheça os benefícios em aplicar este método de acompanhamento e formação.

O que é o acompanhamento pessoal

O acompanhamento pessoal é lugar de acolhimento e encontro com a misericórdia de Deus. 

Por meio dele, o acompanhador irá auxiliar a pessoa que acompanha, no caminho de discipulado do seguimento a Jesus.

É muito comum observarmos esse processo na formação de sacerdotes, leigos consagrados e religiosos, a partir do caminho de discernimento e vivência vocacional. 

Porém, isso não é algo restrito a pessoas vocacionadas a um Carisma. As paróquias e comunidades podem também investir na capacitação de agentes pastorais para que exerçam esse papel.

A partir da escuta e partilha das graças e desafios do tempo presente, aquele que é acompanhado consegue junto ao seu acompanhador, fazer um discernimento maduro acerca da Vontade de Deus para sua vida.

Não obstante, o acompanhamento pessoal retira o indivíduo da solidão e gera a convicção de que ninguém caminha só. Há alguém que reza, intercede e ampara nos desafios do dia a dia. 

O acompanhamento pessoal é sobretudo este lugar onde as motivações pessoais são purificadas para uma determinada determinação de se submeter em tudo à Vontade de Deus.

Como fazer um bom acompanhamento 

Para um bom acompanhamento pessoal, o acompanhador precisa ter ciência de que almas estão sendo confiadas a ele.

Nesta missão, deve-se buscar cada vez mais o aprofundamento de sua intimidade com Deus. Além de um conhecimento maduro da Doutrina da Igreja e da Palavra de Deus.

Para que não haja dúvidas também acerca da escuta da voz de Deus, deve-se iniciar o acompanhamento pessoal com a oração.

O acompanhador reza e apresenta a vida daquela pessoa para Deus. Suas necessidades pessoais, familiares, profissionais, vocacionais e irá suplicar que o Espírito Santo toque cada uma dessas áreas.

Após esse momento de escuta de Deus, abre-se um momento de partilha. É importante que o acompanhador não interrompa a partilha pessoal, mas escute atentamente o seu formando.

Depois de escutar a partilha, o acompanhador, à luz da Palavra de Deus, da condução da oração inicial, poderá expressar o seu olhar diante das realidades apresentadas.

Este é também o momento em que o acompanhador poderá direcionar o formando, apontando passos que devem ser seguidos a partir daquela reflexão.

Conclusão

Vale lembrar, que o acompanhamento pessoal não é de forma alguma uma consulta terapêutica. Sendo assim o acompanhador deve estar atento a necessidade de sua “ovelha” orientando-o quando necessário buscar um profissional de psicologia

É muito importante que o acompanhamento pessoal seja um espaço de extrema confiança na Misericórdia de Deus, de liberdade pessoal, respeito com a história do indivíduo e o mais importante, nunca seja um espaço onde o acompanhador, toma as decisões pessoais daquele que está escutando. 

Por fim, consagra-se o acompanhamento nas mãos da Virgem Maria, ela que é Esposa do Espírito e Porta do Céu, para que possa guiar e acompanhar este caminho de busca pela santidade.

 

Jéssica Maia

Jornalista por formação e missionária, Sua missão é anunciar a Paz ao coração dos homens. Atualmente compõem a equipe de Redação da Dominus. Seu coração está na evangelização!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *