Passos para organizar a formação da pastoral do dízimo

Passos para organizar a formação da pastoral do dízimo

Passos para organizar a formação da pastoral do dízimo

O serviço pastoral, além de ser uma prática de entrega ao Reino de Deus, exige de coordenadores e agentes uma dedicação perseverante. É preciso caminhar de forma clara e consciente. Os bispos latino-americanos na Conferência de Santo Domingo afirmaram que “qualificar a formação e participação dos leigos, capacitando-os para encarnar o Evangelho nas situações específicas onde vivem ou atuam” (CELAM, Santo Domingo, p. 664, 60), proporciona que cada um enfrente os desafios do mundo de hoje com coerência de fé para uma evangelização eficaz.

Mas, como estruturar um projeto de formação para pastoral do dízimo? Por onde começar? Elencamos passos concretos e bem objetivos para ajudar os párocos, coordenadores de pastoral e demais interessados nessa missão! Acompanhe!

1. Comece com a definição da equipe e os responsáveis por cada área

É muito importante que os membros da pastoral saibam quais são suas atribuições na equipe. Uma vez que tenham consciência acerca de sua missão, o trabalho acontece de modo mais fluido. É importante definir uma equipe de coordenadores que sejam parceiros do pároco e do tesoureiro, para que o diálogo e a confiança gere frutos e leve a equipe a crescer.

2. Alinhe o material de formação com o pároco ou representante do CPP

O sacerdote responsável pela paróquia é sempre a autoridade última no que diz respeito às decisões das pastorais, contudo pode ser que ele mesmo delegue – a alguém de sua confiança – a missão formativa da paróquia. Independente disso, alinhe com essa pessoa os pontos essenciais para que a formação aconteça: Qual abordagem utilizaremos acerca do dízimo? Quais são as principais dúvidas e desafios vividos pela paróquia quanto a pastoral do dízimo? Em que a formação pode colaborar? Teremos um material de apoio? Usaremos algum livro específico?

3. Busque subsídios em outras paróquias e dioceses

Nossa Igreja é rica em irmãos e irmãs dispostos a se debruçar nos estudos e preparar um material sólido sobre diversos temas, inclusive sobre o dízimo. Então, vale uma pesquisa na sua diocese, com as paróquias irmãs, e dioceses vizinhas e averiguar a existência de algum material que se aproxime da  realidade cultural do seu povo, e das necessidades da sua pastoral. É importante que seja o coordenador quem assuma a função de buscar os subsídios ou delegue este serviço a alguém que esteja próximo dele, a fim que tudo esteja alinhado na perspectiva que a paróquia caminha.

4. Construa, paralelo ao calendário da paróquia, o calendário de formação da pastoral do dízimo

Cabe à cada pastoral estruturar seu calendário de formações em comunhão e alinhamento junto ao Conselho Paroquial de Pastoral. Um turno por mês já pode favorecer uma possibilidade concreta de ensino e partilha. É de responsabilidade dos dirigentes entenderem a necessidade da equipe, em aumentar ou diminuir essa frequência.

Prepare a reunião levando em consideração o seguinte roteiro:

  • Momento de espiritualidade – súplica ao Espírito Santo e a intercessão da Virgem Maria;
  • Partilha da Palavra;
  • Ensino da realidade teórica e fundamentos da fé, e explanação das ações da pastoral, de modo prático, a partir do que foi repassado;
  • Tempo reservado para que a equipe partilhe aquilo que entendeu, suas lutas e desafios a partir do tema apresentado;

5. Avalie continuamente a formação e suas diversas abordagens

Faça uma avaliação das palestras e demais iniciativas formativas, para se ter convicção de que está alcançando seus objetivos ou não, e quais medidas tomar ao longo do caminho. Isso pode ser feito através de questionários de avaliação ou partilhas ao término de cada momento de formação.  

6. Proporcione a convivência comunitária

A convivência com os irmãos e o debate das ideias são tão importantes quanto as palestras, ensinos e momentos de espiritualidade. São em momentos como esse que surge o amor, a reconciliação, as ideias mais concretas e reais e a graça da fé comum. Portanto, o coordenador, sabiamente, deve proporcionar momentos de lazer, partilha e avaliação das ações e iniciativas realizadas.

Heraldo Lima

Jornalista de formação, possui intensa e longa experiência missionária. Atualmente compõem a equipe de Redação na Dominus Evangelização e Marketing. Casado com a Anne e pai do Davi. Seu coração está na evangelização!