Como ser um bom líder e servir de inspiração na paróquia - Dominus Comunicação

Como ser um bom líder e servir de inspiração na paróquia

Quem nunca ouviu falar de um paroquiano que mudou de paróquia porque não se identificava com o coordenador de Pastoral ou mesmo com o pároco. Isso mostra como a postura da liderança, sua empatia e sua personalidade são determinantes para o bom andamento da vida pastoral. 

Obviamente, muitos pastores passam momentos difíceis e se deixam engolir pela rotina e a exaustiva correria das ações paroquiais. No entanto, é preciso lembrar-se de que antes de ser pessoa jurídica, a comunidade paroquial é feita de vida, de pessoas reais, que estão a serviço do Reino de Deus. 

Portanto, ser um líder acolhedor, sábio, amistoso, entre outras características é importante para que as ovelhas do rebanho paroquial não se dispersem. Por isso, preparamos esse post apresentando um modelo de uma boa liderança que será inspiradora para os paroquianos. 

Os diferentes tipos de liderança

Assim, como existem diferentes tipos de pessoas, existem diferentes tipos de liderança. Afinal, estar à frente de um negócio, grupo, pastoral ou comunidade é ser um líder. No entanto, o tom da sua liderança será dado de acordo com suas escolhas e posturas. 

Existe o líder – gestor sempre preocupado com os resultados e o que tem pra ser feito. Geralmente, corre um sério risco de cair no ativismo, exigir demasiadamente da equipe e esquecer que a qualidade de vida das pessoas precisa vir antes dos esforços. Logo, nenhum colaborador ou paroquiano servirá com toda sua potência e talento se estiver no limite da sua saúde emocional e psíquica. 

Outro modelo comum é o líder-autoritário. Sempre pronto para definir atribuições, dividir tarefas e gerenciar conflitos. Porém, tal qual o líder-gestor, o autoritário é ainda menos humanizado, tratando seus liderados como linha de produção de uma fábrica. A liderança autoritária não costuma ouvir opiniões, muito menos críticas. Comum nos séculos passados, o líder autoritário não conseguiu avançar para os novos modelos de liderança, que veem gerando resultado de qualidade de vida nos liderados e em criatividade e novos projetos nas empresas. 

O líder – democrático possui um modelo de liderança compartilhada. Escuta seus liderados e possui objetivos claros para seus projetos mas, sobretudo, conta com a ideia e os dons dos seus liderados. Traz consigo empatia e entusiasmo, sendo um líder no qual muitos desejam estar perto e segui-lo. Sua equipe costuma ser feliz e satisfeita com as ações de trabalho, tal qual com o relacionamento entre eles. A satisfação das reuniões de equipe são um termômetro da qualidade do líder. 

Leia também Produtividade no trabalho: O que sacerdotes e religiosos precisam saber sobre gestão

Como ser um bom líder na Paróquia 

Um sacerdote inspirador é aquele que, ao ter o primeiro contato com um paroquiano, entra em sua vida na amizade e no pastoreio. Os laços de amizade de um sacerdote não são como os laços de qualquer natureza. Trata-se de laços que unem o fiel a Deus, não ao sacerdote em si. 

Portanto, um sacerdote precisa estar sempre pronto para as necessidades da Paróquia. Obviamente, suas atribuições passam longe de serviços mais simples. Mas, estar perto das equipes de pastoral nas suas atividades é indispensável para que a comunidade o perceba próximo. 

O serviço primordial do padre é o cuidado das almas. Sendo assim, não negar confissões, sacramentos, visitas aos doentes, exéquias são o mínimo para que a comunidade encontre no pastor alguém próximo das ovelhas. Infelizmente, é comum perceber nos líderes autoritários ou gestores a instrumentalização das pessoas. Se são importantes para o projeto há um relacionamento próximo, quando ela deixa de ser fundamental, há um distanciamento. 

Isso é, claramente, um erro quando se quer ser um bom líder. O Papa Francisco já ensinou: “o pastor tem que ter o cheiro das ovelhas”, por isso ser próximo das dores reais das pessoas é primordial. 

Outra queixa comum nas comunidades é a autoreferenciação do sacerdote em todas as atividades. Sempre centralizando decisões e atribuições. O líder não só desgasta a relação com os fiéis, como coloca sua saúde psíquica e física na berlinda. 

Concluindo

A humildade é uma característica indispensável para um líder inspirar os paroquianos. Por isso, crescer nessa virtude ajuda muito sacerdotes e coordenadores de pastoral no exercício da boa liderança na paróquia. 

De modo geral, a liderança só é boa e eficiente quando o líder é capaz de inspirar! Por isso, zelar pela postura é tão importante nesse caminho. O modelo sempre será Cristo, o que era para ser servido por todos, e tornou-se humilde e servo de todos. 

 

 

 

 

 

Jornalista de formação, possui intensa e longa experiência missionária. Atualmente compõe a equipe de Redação na Dominus Evangelização e Marketing. Casado com a Anne, pai do Davi, do Gabriel e da Gianna. Seu coração está na evangelização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.