Quais informações você precisa para o plano pastoral?

Quais informações você precisa para o plano pastoral da sua comunidade?

Quais informações você precisa para o plano pastoral da sua Comunidade?

O plano pastoral é o resultado de um caminho trilhado pela comunidade em vista de um planejamento de evangelização. Porém, para chegar, lá é necessário um olhar interno, profundo e realista. Estamos falando de um diagnóstico. 

O médico, por exemplo, para tratar seu paciente, coleta alguns dados. Solicita exames, pesquisa o histórico familiar, investiga os sintomas do paciente, entre outros. Faz o que chamamos de anamnese. Do mesmo modo, o plano pastoral também passa por processo semelhante. 

Nada começa por acaso e, em se tratando de realidades eclesiais, a leitura da história e suas nuances, as estatísticas e o contexto social, são alguns dos dados determinantes para a compreensão dos próximos passos a serem dados. 

Conheça agora quais informações você precisa obter na hora de construir seu plano pastoral. Elaboramos em formato de checklist para servir de auxílio para seus trabalhos. Confira!

Na secretaria paroquial – Esse setor da paróquia tem uma grande importância na hora de coletar informações. Sabe-se que o cotidiano da comunidade está registrado e arquivado na secretaria. Ali passa a vida sacramental, ações de missão, atendimentos do pároco, fornecedores, dizimistas, etc. Portanto, esse conhecimento coloca a equipe que está em planejamento pastoral inserida no dia a dia da Igreja e seus desafios. Alguns dos dados a serem colhidos são estes (mas podem variar de acordo com o perfil da paróquia):

  • Documento de criação da paróquia – conhecer como tudo começou e a palavra da Igreja para criação de uma paróquia diz muito sobre sua missão;
  • Documento de posse do pároco/administrador apostólico;
  • Atas de reuniões do Conselho Paroquial de Pastoral – muitas vezes, os registros feitos em ata não são analisados com clareza. Mais do que resoluções, as atas lidas de modo sistemático oferecem  um panorama acerca do crescimento, da maturidade e das indicações que a história tem dado para vida da comunidade;
  • Relatório existentes em sistemas da Pastoral do Dízimo – baixar os relatórios do dízimo permitem uma visão orçamentária importante para o desenvolvimento do projeto;

Com os agentes pastorais – É de grande importância identificar e escutar os agentes de pastoral, para que toda a comunidade participe de modo concreto no plano evangelizador da paróquia. Isso é possível de levantamento de dados (veja algumas sugestões): 

  • Pesquisa quantitativa sobre frequentadores das Missas, eventos e demais ações de evangelização – quais os frutos (quantitativos) que a paróquia tem dado com as iniciativas tomadas? Saber disso é o “termômetro” da evangelização que já está em andamento;
  • Quantidade de membros efetivos nas pastorais – diante dos desafios evangelizadores, é preciso ponderar se a quantidade de agentes são suficientes em cada pastoral;
  • Levantamento de atividades evangelizadoras do último ano – conhecer melhor o calendário da comunidade em todas as suas instâncias e quais os momentos fortes e com maior participação do público;

Em relação ao cenário externo – servem de referência os dados do Censo, disponibilizadas gratuitamente no site do IBGE. Como Igreja, o envio missionário é para cada região do mundo. Porém, é importante lembrar que o Evangelho entra na história e na cultura de cada povo, como sinal de salvação. Por isso, merece atenção as minúcias geográficas da região Quantidade de moradores na região da paróquia – levantar a porcentagem relativa com os frequentadores;

  • Quantos homens? Quantas mulheres? 
  • Jovens, adultos, crianças e idosos? –  Qual a faixa etária que mais comparece e qual a que menos?;
  • As pessoas que estão próximas da paróquia são batizadas? Os casais têm o sacramento do matrimônio?
  • Religiões e suas populações;
  • Contexto político;
  • Questões sociais relevantes na região; Drogas, hospitais, pobreza, violência, 

Com essas informações, já é possível preparar um bom diagnóstico, com coerência e conhecimentos básicos para um trabalho tão intenso. Para planejar é preciso conhecer as bases onde serão “construídos” os sonhos evangelizadores de cada pessoa que se responsabiliza pela missão. Como o profeta é possível responder: “Eis-me aqui Senhor, envia-me” (Isaías 6,8). 

Saiba mais em Como montar um plano pastoral de resultados: 7 passos iniciais 

 

Heraldo Lima

Jornalista de formação, possui intensa e longa experiência missionária. Atualmente compõe a equipe de Redação na Dominus Evangelização e Marketing. Casado com a Anne e pai do Davi. Seu coração está na evangelização!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *