9 estratégias de como criar no leigo a consciência sobre o dízimo católico

9 estratégias de como criar no leigo a consciência sobre o dízimo católico

9 estratégias de como criar no leigo a consciência sobre o dízimo católico

Nosso Senhor Jesus Cristo veio ao mundo para anunciar a Salvação de Deus a todos os povos. Coube à Igreja – na missão dos apóstolos – dar continuidade a este anúncio. “Ide por todo mundo e anunciai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15). O clero traz consigo o chamado de “in persona Christi” (na pessoa de Cristo, do latim) conceder, através dos sacramentos, o impulso missionário necessário para que os fiéis leigos testemunhem nas realidades temporais as exigências da doutrina e da vida cristã.

O Papa Pio XII, ainda em 1946, já atestava que os leigos “deve ter uma consciência sempre mais clara, não somente de pertencerem à Igreja, mas de serem Igreja” (Catecismo da Igreja Católica, 899). Desse modo, como parte integrante e ativa da comunidade de fé, os leigos desempenham um papel de suma importância para a manutenção e ampliação dos trabalhos de evangelização através do dízimo. Mas, como formar no leigo a conscientização de seu papel? Elencamos 9 estratégias que podem iluminar os trabalhos da Pastoral de sua Paróquia.

1. Defina o leigo como um público prioritário no planejamento estratégico

O blog da Dominus possui diversos materiais que podem ser usados como método de orientação para sua pastoral no processo de planejamento pastoral. Dentre os trabalhos, é possível reconhecer que o leigo é o grande protagonista do dízimo. Seja porque são a grande maioria dos dizimistas, seja porque a própria pastoral do dízimo é feita de pessoas leigas. Por isso, não podemos nos esquecer de definir e segmentar os trabalhos da pastoral para os leigos.

Outro aspecto importante, é começar os trabalhos de conscientização entre os membros da própria pastoral. Esse movimento será sempre de dentro para fora, começando em escala descendente, podemos dizer assim: Do pároco para o Conselho Paroquial de Pastoral (CPP), dos coordenadores de pastoral para os líderes comunitários, e assim sucessivamente. Não é possível trabalhar algo com o público externo sem que os colaboradores tenham antes assimilado de modo consistente.

2. Fomente na Pastoral de Conjunto o espírito de acolhimento ao leigo

Se o leigo é o público para o qual estaremos trabalhando, é importante que todas as pastorais se conscientizem também acerca de alimentarem um espírito de acolhimento para com quem chega na Paróquia. Infelizmente, muitas vezes é na porta da igreja, através de uma cara fechada,  ou em uma informação dada sem a devida atenção, que o leigo se afasta da comunidade. É preciso dedicação total para um acolhimento evangelizador. “Se alguma coisa nos deve santamente inquietar e preocupar a nossa consciência é que haja tantos irmãos nossos que vivem sem a força, a luz e a consolação da amizade com Jesus Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida” (Papa Francisco, Evangelli Gaudium, 49).

3. Mantenha as informações sobre a Paróquia e o Dízimo constantemente atualizados

Ainda na perspectiva dita anteriormente, muitas vezes o cruzamento de informações – e sabemos que são muitas em nossas paróquias – acabam prejudicando a participação do leigo na vida da comunidade. Se queremos que os leigos se sintam parte da comunidade,  corresponsáveis pela evangelização, devemos nos preocupar em mantê-los informados sobre eventos, cadastro do dízimo, catequese, pastorais, etc.

4. Trabalhe com a Pascom a criação de materiais sobre a importância do leigo

Existem diversas formas de trabalhar a consciência sobre o dízimo: através de panfletos, folders, banners, cartazes, posts em redes sociais, jornais impressos. É muito válido realizar uma reunião entre pároco, coordenadores da pastoral do dízimo e a equipe da PASCOM para  definir temas, frases e textos de documentos da Igreja que falem sobre a importância do leigo na vida da Igreja, assim como sobre o dízimo.

5. Ofereça no calendário paroquial dias especiais para o leigo

Um exemplo para isso é preparar um evento no domingo dos leigos, 4º domingo do mês de agosto, o mês das vocações. Esses dias temáticos costumam ser bem pedagógicos, pois tudo na vida da paróquia tende a falar sobre o tema em questão formando, celebrando e entregando a Deus pelas palestras, momentos fraternos e de acolhimento, adoração, santa Missa. Seja criativo e estratégico na definição da programação.

6. Demonstre através de todas as ferramentas possíveis que o leigo é Igreja

Utilize os meios de comunicação da paróquia para enviar palavras do pároco endereçadas especialmente aos leigos. Atualmente, um instrumento que tem sido muito utilizado na comunicação com o dizimista, são os aplicativos de mensagem instantânea. Temos um infográfico que apresenta dicas sobre como fazer isso utilizando o whatsapp. Confira aqui.

7 dicas sobre como crescer no relacionamento com o dizimista utilizando o WhatsApp

7. Faça constante visitas de acompanhamento aos dizimistas

Essas visitas são um instrumento eficaz em criar laços fraternos e acompanhar o dia a dia dos irmãos dizimistas da comunidade. Nelas não deixe de partilhar sobre a importância do dízimo na construção da vida eclesial.

8. Possibilite meios de escuta dos anseios e angústias do dizimista

Algo muito importante é criar meios de escuta, seja uma caixinha de sugestões, um momento de partilha em reuniões, a promoção de enquetes nas redes sociais, etc. Isso não significa só uma escuta passiva, mas ativa, na qual, a paróquia realmente deve se debruçar e discernir acerca de sua postura diante de tais inquietações.

9. Utilize a santa Missa para partilhar com os fiéis a importância do dízimo

Uma das estratégias mais eficazes é o uso da santa Missa – seja na homilia, no mural de informações ou nos avisos – para conscientizar os fiéis sobre o dízimo, suas dimensões, sua importância, entre outros.

Quando falamos em leigo, muitos entendem como uma pessoa que não tem conhecimento sobre determinado assunto. Na Igreja, o leigo é a grande porção do Reino de Deus ao qual Cristo enviou seus discípulos. Portanto, trabalhar a evangelização dos leigos e leigas é indispensável para crescermos como comunidade de fé e amor.

Heraldo Lima

Jornalista de formação, possui intensa e longa experiência missionária. Atualmente compõe a equipe de Redação na Dominus Evangelização e Marketing. Casado com a Anne e pai do Davi. Seu coração está na evangelização!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *