Escola de formação paroquial: O que você pode estar fazendo errado - Dominus Comunicação

Escola de formação paroquial: O que você pode estar fazendo errado

Cada  escola de formação paroquial é uma resposta ao apelo do Papa Francisco para que cada paróquia seja uma “Igreja em Saída, uma comunidade evangelizadora. 

Mas,  quando você olha para a realidade de evangelização de sua paróquia, consegue enxergar os frutos que ela está produzindo na evangelização? 

Por isso é tão urgente “qualificar a formação e participação dos leigos, capacitando-os para encarnar o Evangelho nas situações específicas onde vivem ou atuam.” (CELAM, Santo Domingo, p. 664, 60). Em outras palavras, agentes de pastoral bem formados e conscientes de sua fé, evangelizam mais e melhor! 

 

Escolas de formação paroquial

Dessa forma, a escola de formação paroquial é uma maneira de  manter viva a evangelização na sua paróquia . Ela acontece por meio de palestras distribuídas em módulos temáticos e pode ocorrer em encontros semanais ou mensais.

É um caminho constante de formação que tem como finalidade abordar temas que conduzem os paroquianos à maturidade de fé, bem como conhecer melhor a doutrina da Igreja católica, a palavra de Deus e a vida pastoral. 

Mas, para que uma escola de formação paroquial seja um caminho seguro de crescimento em evangelização e maturidade cristã,  você, coordenador precisa estar atento para cair em alguns erros comuns: 

 

Erro #1: Não ter uma equipe de coordenação 

Se você sente que a sua escola de formação paroquial está mal estruturada, pode ser pela falta de uma equipe de coordenação.

O pároco tem uma rotina exigente,  com muitas demandas e precisa de ajuda para cuidar de todos os detalhes que uma escola de formação paroquial exige. 

Concretamente o coordenador ou a equipe apoia a realização da escola em todas as suas necessidades: inscrições, material formativo,  ajuda no planejamento, promove as palestras, prepara as aulas, soluciona todas as pendências necessárias,  inclusive dos recursos financeiros. 

 

Erro #2: Não planejar as aulas

Quando não temos nossas ações planejadas, as coisas ocorrem de forma desorganizada, sem qualidade e um tanto atropeladas. Até o envolvimento dos membros da comunidade se torna difícil.

A falta de planejamento é um erro que pode acabar em atividades mal sucedidas e gerar desgaste nas pessoas, fazendo-as desistir da escola de formação paroquial. 

O melhor cenário é criar uma grade formativa prevendo todos os assuntos que serão trabalhados no decorrer de um semestre ou do ano e disponibilizar para os fiéis as datas de todas as palestras com antecedência. 

 

Erro #3: Não criar módulos formativos

Conteúdos mal distribuídos e aplicados de forma confusa não ajudam os fiéis a aprender de verdade! 

Uma forma muito eficaz de estruturar o conteúdo formativo é dividi-lo em módulos, que podem durar 3 ou 6 meses.  Para isso, defina uma temática para cada módulo. Por exemplo: sagradas escrituras,  liturgia, doutrina católica, entre outros. 

Módulos definidos, faça uma planilha e coloque as palestras que cada módulo precisa ter. Depois, insira na planilha as sugestões de palestrante e a data. 

Procure trabalhar em comunhão com o calendário anual da paróquia e o calendário litúrgico da igreja. Por exemplo, formações específicas sobre a quaresma em fevereiro ou março e palestras sobre o padroeiro dentro do mês festivo da paróquia.  

 

Erro #4: Não ter bons palestrantes

O conteúdo de sua escola de formação paroquial pode ser excelente, mas se não houver bons palestrantes, as pessoas não continuarão participando!

O pároco é uma figura muito importante na escola de formação, mas não deve ser o único palestrante. 

Busque pessoas capacitadas e indicadas por lideranças dentro da Igreja, e claro, sempre em comunhão com os padres de sua paróquia.  Convide religiosas, sacerdotes de outras paróquias, seminaristas, leigos consagrados, formandos das escolas de teologia para leigos, e até mesmo, profissionais de diversas áreas, desde que aprovadas pelo pároco. 

Trazer palestrantes de outros lugares, além de evitar sobrecarregar os padres da sua paróquia, acaba atraindo ainda mais alunos. 

E vale a pena lembrar: um bom palestrante torna o conteúdo formativo atrativo, acessível e didático!

 

Erro #5: Não fornecer material formativo

Os membros da escola formação paroquial saem perdidos das aulas? Pode ser a falta de um material de apoio!

Toda instituição de ensino, ao elaborar qualquer curso, oferece como apoio um material didático para guiar o processo de aprendizagem de seus alunos. Por que na Igreja precisa ser diferente?

Apresentações,  materiais impressos, roteiros de aulas ou até mesmo um resumo do conteúdo entregue aos alunos ajudam na memorização e faz com que as aulas sejam mais dinâmicas. 

Com certeza, um conteúdo bem feito fará com que os alunos aprendam e participem mais de uma escola de formação paroquial.

 

Erro #6: Não fazer uma boa divulgação

A sua escola foi muito bem estruturada, mas os fiéis não estão participando?

E a divulgação foi bem feita ?

Dar visibilidade para a Escola de Formação Paroquial é a chave para que mais fiéis possam participar e engajar-se na evangelização. 

Por isso, comece a divulgá-la com antecedência. Você pode usar os meios tradicionais como os recados após a missa, folhetos e, sobretudo a internet e as redes sociais. 

Mesmo que você não tenha um conhecimento avançado em mídias sociais é possível usar estratégias simples para que a sua divulgação alcance ainda mais pessoas.  Precisamos avançar na evangelização online!

 

Avalie, planeje, execute!

Se você encontrou algum desses erros na sua escola de evangelização paroquial, sempre é tempo de recomeçar!

Avalie o que pode ser mudado, faça um bom planejamento pastoral e execute cada ação em comunhão com uma equipe engajada. Nunca se esqueça que sob a ação do Espírito Santo, é possível fazer novas todas as coisas!

Se a sua paróquia precisa de ajuda quando o assunto é planejamento Conheça o Curso de Planejamento Estratégico Pastoral da Dominus.

 

 

 

 

 

Marcos Fábio 

Dedicou 15 anos da sua vida como missionário dentro de uma Associação Internacional reconhecida pelo Vaticano, é autor do livro Dez Dicas sobre Grupo de Oração. Atualmente faz parte do time da Dominus atuando na criação das Estratégias de Marketing Digital para Mídias Sociais e Inbound Marketing

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.