Ecônomo Diocesano: O que você precisa entender de forma definitiva sobre a Pastoral do Dízimo - Dominus Comunicação

Ecônomo Diocesano: O que você precisa entender de forma definitiva sobre a Pastoral do Dízimo

Neste artigo quero abordar diretamente o tema da Pastoral do Dízimo com o Ecônomo Diocesano. Afinal, ao longo da minha experiência, ministrando cursos para diversas paróquias do Brasil, fui identificando questões importantes e que considero necessárias para trabalhar com aqueles que cuidam da realidade financeira da Igreja. 

A Pastoral do Dízimo é uma atividade evangelizadora que deve exigir da cúria diocesana atenção especial. Em um outro artigo abordo o papel da mesma no âmbito da diocese. Você também pode conferir aqui. 

Neste espaço vou trazer pistas de ação para que sua diocese possa revolucionar a forma de acompanhar o desenvolvimento das atividades de arrecadação do dízimo. 

A cúria metropolitana e a profissionalização 

Um dos aspectos fundamentais que todo ecônomo diocesano precisam compreender é a necessidade de profissionalizar os serviços pastorais da cúria em relação ao dízimo. Mas o que seria isso? 

Para ajudar a esclarecer, vou relatar uma conversa que há alguns meses tive com um padre responsável pelas finanças de uma diocese. Na nossa conversa, esse padre me contava o quanto as paróquias arrecadavam e o quanto de recursos chegava na cúria por meio do dízimo. Na ocasião, o valor apresentado por ele era bem significativo e me impressionou. 

Desse modo, rapidamente perguntei a ele o que a diocese fazia. Ele me relatou algumas atividades e em seguida eu perguntei: além disso, vocês contam com um departamento responsável por acompanhar de perto as atividades do dízimo? Ele me respondeu que não! 

No mesmo instante, fiz a seguinte reflexão com ele: então vocês arrecadam tudo isso de recurso sem investir um real em profissionais para acompanhar as atividades da Pastoral do Dízimo? Padre, você compreende que esse volume poderia ser maior se a diocese investisse em um departamento que acompanhasse e viabilizasse as ações pastorais? Dar o suporte necessário às paróquias ampliaria ainda mais essa capacidade de arrecadação. 

Sendo assim, este acontecimento traz, de forma muito concreta, o quanto precisamos compreender a necessidade de profissionalizar algumas atividades pastorais. 

A Pastoral do Dízimo é uma ação evangelizadora que sustenta a missão. Sem o recurso financeiro, fica difícil evangelizar. Desta forma, é fundamental que a diocese invista recursos financeiros, materiais e humanos no seu desenvolvimento. A criação de um departamento exclusivo e dedicado é uma excelente forma de fortalecer a captação de recursos. 

Uma Pastoral do Dízimo diocesana eficiente 

Como nos orienta o Documento 106 da CNBB, “o funcionamento da Pastoral do Dízimo tem como referência fundamental a paróquia com as comunidades que a compõem.”  Mas como seria a atuação da Pastoral do Dízimo no âmbito diocesano? Quais atividades a equipe deve ser responsável? 

Ao atender diversas paróquias de todo o Brasil, o que mais identificamos é a falta de suporte para o desenvolvimento das atividades pastorais. Elas desejam fazer o trabalho, mas não sabem qual caminho seguir e como devem seguir. O papel da Pastoral do Dízimo no âmbito diocesano é oferecer o suporte, o pastoreio necessário. Podemos dizer que ela atua na esfera executiva. 

Existem três pilares essenciais que fazem uma Pastoral do Dízimo alcançar os resultados necessários. São eles: Formação, gestão e comunicação. Assim, arrisco dizer que seriam também essas as áreas de atuação da equipe diocesana. 

Formação

Aqui a equipe precisa estruturar um roteiro formativo integrado, onde a diocese oferece o suporte e as orientações para a aplicação das formações. A criação de manuais e vídeos aulas são algumas das atividades essenciais deste pilar. 

Gestão

Um dos grandes desafios é a organização pastoral. Afinal, muitas paróquias não sabem como devem iniciar ou como devem organizar sua rotina. A equipe diocesana deve oferecer  treinamentos práticos que possibilitem aos coordenadores e agentes pastorais desenvolverem suas habilidades. 

Portanto, vale lembrar que a integração com os setores administrativos e contábeis é essencial para também oferecer as orientações relacionadas às condutas administrativas que devem ser adotadas pela paróquia. 

Comunicação

O terceiro ponto que precisamos pensar como ecônomo diocesano é a comunicação. Logo, deve sair da cúria diocesana a proposta da Campanha do Dízimo anual, será com ela que as paróquias irão estabelecer o processo de relacionamento com dizimistas e paroquianos. Desse modo, ressaltamos a importância de envolver a Coordenação de Pastoral no lançamento e aplicação da campanha. Esta ação não se trata meramente de uma campanha de arrecadação financeira e sim de uma campanha evangelizadora. 

Uma conclusão que não esgota o assunto

Como podemos observar, são inúmeras as atividades que a diocese deve contribuir para que a arrecadação financeira por meio da Pastoral do Dízimo seja definitivamente a principal fonte de receita de uma comunidade paroquial. 

Sendo assim, é ingenuidade da nossa parte acharmos que uma equipe diocesana da Pastoral do Dízimo composta apenas por membros voluntários seja capaz de cuidar das atividades essenciais para o bom desenvolvimento nas paróquias. 

Por isso, é essencial que o ecônomo diocesano juntamente com o bispo e a equipe de coordenação pastoral estruture dentro da cúria metropolitana um departamento que atue de forma exclusiva nas ações da Pastoral do Dízimo. Só assim, será possível um avanço significativo para a sustentabilidade evangelizadora da igreja particular.  

Espero você em outra leitura!

 

Jean Ricardo

Empreendedor na evangelização, apaixonado por planejamento e marketing digital é CEO da Dominus Evangelização e Marketing, comanda o time de evangelizadores. O seu coração está na evangelização!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.