5 coisas que as pessoas esquecem sobre a atuação da Pastoral do dízimo

5 coisas que as pessoas esquecem sobre a atuação da Pastoral do dízimo

5 coisas que as pessoas esquecem sobre a atuação da Pastoral do dízimo

O dízimo é uma das realidades paroquiais que mais recebe respingos negativos de vivências desordenadas de outras denominações religiosas. Mas também é alvo do preconceito gerado pelo infeliz modus operandi brasileiro com relação aos escândalos políticos de desvio de verbas e má gestão. Diante de uma cultura que não favorece um olhar puro para esta dimensão tão preciosa na Igreja, trazemos neste texto 5 coisas que você não pode esquecer quando o assunto é a atuação da pastoral do dízimo:

1. Evangelização

A Pastoral do Dízimo é uma pastoral que evangeliza. Muitos acham que é um setor de captação de recursos, mas está enganado quem pensa assim. É de extrema importância que os membros desta pastoral estejam atentos a todo o processo evangelizador existente na paróquia. Sem uma evangelização constante e eficaz, os resultados da Pastoral do Dízimo não serão positivos.

2. Integração

Não existe atuação da Pastoral do Dízimo de forma isolada, se uma comunidade deseja alcançar resultados mais significativos, é preciso trabalhar a integração com as diversas pastorais. A responsabilidade do dízimo é de todos. Não basta apenas ter uma equipe, todos os agentes devem ser atuantes tanto no testemunho quanto na divulgação.

3. Formação

Os agentes da Pastoral do Dízimo precisam estar em constante formação, é preciso estudar os aspectos teológicos, mas também ter noções básicas de comunicação e marketing. Um plano de formação é essencial.

4. Jornada da Evangelização

Sabemos que a devolução do dízimo é parte integrante do processo evangelizador. Como diz um velho ditado: “sabemos que o coração foi tocado quando também tocou o bolso”. Cada vez mais devemos entender e desenvolver a Jornada da evangelização. Confira no post Evangelizar: Engajamento pastoral um desafio mais detalhes sobre esse processo.

5. Uma pastoral que deve ser levada na esfera do que é importante

Como a evangelização, o trabalho da Pastoral do Dízimo não pode ser visto como algo secundário ou na esfera da urgência. Em muitas comunidades o que acontece é que quando precisa ampliar a arrecadação financeira, então chamam os agentes da pastoral para ver o que pode ser feito.

É preciso colocar a Pastoral do Dízimo na esfera da importância, onde suas atividades compõem uma rotina prioritária da ação evangelizadora. A comunidade paroquial necessita ter um planejamento com ações e metas bem definidas. Com isso são mais garantidos os resultados positivos ao trabalho.

Jean Ricardo

Empreendedor na evangelização, apaixonado por planejamento e marketing digital é CEO da Dominus Evangelização e Marketing, comanda o time de evangelizadoras. O seu coração está na evangelização!